Após retomar empresa bilionária, deputado do Paraná e equipe acusam gestão judicial de fraudes

//Após retomar empresa bilionária, deputado do Paraná e equipe acusam gestão judicial de fraudes

Após retomar empresa bilionária, deputado do Paraná e equipe acusam gestão judicial de fraudes

Após retomar o comando do Grupo Diplomata, que inclui um dos maiores frigoríficos de aves do Brasil, em abril, o deputado federal Alfredo Kaefer e sua equipe partiram para o contragolpe. A empresa com sede em Cascavel (PR) afirma ter descoberto indícios de boletos fraudados e ‘rescisões [contratuais de trabalho] absurdas’.

As irregularidades teriam sido praticadas na gestão judicial realizada entre 2014 e 2017. Para o relator do recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), Luis Felipe Salomão, a falência não poderia ter sido determinada sem o aval dos credores das empresas.

Indicado por Kaefer para falar com a reportagem, o advogado da empresa Laerciun Wrudel afirma que a primeira providência foi contatar o gestor judicial, César Scherer. A empresa esperava maior empenho de Scherer no afastamento do contador responsável por lançamentos à época, Clemente Ferrari.

“O César demonstrou que não sabia, mas também não teve atitude. Ele foi blindado pelo juiz Isso é um crime de gestão penal pública”, afirma. Wrudel critica a postura da 1ª vara de Cascavel e alega que a Diplomata vem sofrendo tratamento discriminatório.

“Verificamos fraudes logo na primeira semana [que Kaefer reassumiu a empresa]. Eram realizados pagamentos de tributos em boleto bancário, o que é um absurdo, uma grosseria”, completa o jurista.

Perícia
O advogado alega que, ao descobrir tais boletos, a empresa responsável pela administração judicial – Capital Administradora Judicial – foi acionada e confirmou as irregularidades. Tanto a administradora, responsável por acompanhar processos de recuperação de falência, quanto o gestor judicial, responsável por gerir a atividade, são nomeados pelo juiz e têm atividades independentes.

Um laudo preliminar impetrado pela Capital Administradora Judicial nesta quinta-feira (3), ao qual a Gazeta do Povo obteve acesso com exclusividade, destaca a presença de 215 lançamentos contábeis para a quitação de taxas como ICMS e do corpo de bombeiros. “Porém, os pagamentos que deveriam ser realizados via guia de recolhimento eram mediante boletos bancários cujos beneficiários e o pagador foram alterados”, destaca laudo enviado à Justiça.

“O que acabamos de ingressar foi uma ação judicial para produção de provas. O propósito dessa ação judicial é identificar outras fraudes e quem são os responsáveis e envolvidos”, afirma um dos contatos da Capital Administradora que preferiu não ser identificado.

Relembre o caso
O Superior Tribunal de Justiça cassou em abril uma decisão de 2014 da 1ª Vara Cível de Cascavel (PR), que determinou a falência das empresas do Grupo Diplomata, entre elas o Frigorífico Diplomata, que acumulou R$ 1,6 bilhão em dívidas.

Assim, as empresas voltam à gestão do deputado federal Alfredo Kaefer. Apesar disso, o frigorífico de Capanema (PR) continuou ativo, e passou a se chamar Dip Frangos, sendo gerido pelo gestor e administrador, ambos indicados pela Justiça.

R$ 1 milhão
A fonte informa que as pessoas envolvidas fraudavam os pagamentos de tributos para realizar o pagamento de despesas pessoais. “Nesse laudo pericial destacamos quais são os boletos, o que gira em torno de um total de R$ 930 mil em pagamentos irregulares”, afirma.

Wrudel acrescenta que com os valores nominais e a inserção de juros, esse valor deve passar de R$ 1 milhão. “Como era uma execução provisória, estava sob a responsabilidade do Ministério Público, que é quem tem que ressarcir”, destaca.

De acordo com o laudo da Capital Administradora, os lançamentos contáveis deveriam ser assinados em conjunto pelo gestor judicial, pelo diretor executivo da empresa durante o período de recuperação judicial, Othmar Rempel, e pelo contador da companhia, Clemente Ferrari.

Pagamentos
Há cem lançamentos apenas com a assinatura do contador, ou seja, não autorizados pelo gestor judicial ou pelo diretor executivo, que somam R$ 326.708,14. Há ainda outros cem lançamentos autorizados por Othmar Rempel, que totalizam o valor de R$ 519.142,68. Ambos os valores constam no laudo entregue à justiça, além de outros assinados por César Scherer e pela atual administradora e representante legal das empresas do grupo Diplomata, Clarice Romam.

A Capital Administradora informa ainda que há admissão da autoria dos fatos por parte de Clemente Ferrari Júnior. Ferrari e Rempel trabalhavam antes mesmo da investigação atual na Diplomata, explica Wrudel.

O advogado diz que Ferrari, antes auxiliar de contabilidade, foi nomeado como contador pelo juiz que decretou a recuperação judicial, e o contador da época foi afastado. Já Rempel atuava na diretoria da empresa, mas teria passado a ter privilégios depois da decisão judicial que ocasionou a perda da empresa de Kaefer.

Contatado pela reportagem, Othmar Rempel preferiu não se manifestar. Por enquanto, a Gazeta do Povo não conseguiu contato com César Scherer e Clemente Ferrari Júnior.

2017-08-07T12:23:03+00:00 agosto 7th, 2017|Categories: Últimas|0 Comments

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.